Países MixPlanet

Capas para Facebook


Países

Afeganistão
África do Sul
Albânia
Alemanha
Andorra
Angola
Antigua e Barbuda
Arábia Saudita
Argélia
Argentina
Armênia
Austrália
Áustria
Azerbaijão
Bahamas
Bangladesh
Barbados
Bélgica
Belize
Benin
Bielorrússia
Bolívia
Bósnia e Herzegovina
Botsuana
Brasil
Brunei
Bulgária
Burkina Fasso
Burundi
Butão
Cabo Verde
Camarões
Camboja
Canadá
Catar
Cazaquistão
Chade
Chile
China
Chipre
Cingapura
Colômbia
Comores
Congo
Coréia do Norte
Coréia do Sul
Costa do Marfim
Costa Rica
Croácia
Cuba
Dinamarca
Djibuti
Dominica
Egito
El Salvador
Emirados Árabes Unidos
Equador
Eritréia
Escócia
Eslováquia
Eslovênia
Espanha
Estados Unidos da América
Estônia
Etiópia
Federação Russa
Fiji
Filipinas
Finlândia
França
Gabão
Gâmbia
Gana
Geórgia
Granada
Grécia
Guatemala
Guiana
Guiana Francesa
Guiné
Guiné Equatorial
Guiné-Bissau
Haiti
Holanda
Honduras
Hungria
Iêmen
Ilhas Marshall
Ilhas Salomão
Índia
Indonésia
Irã
Iraque
Irlanda
Irlanda do Norte
Islândia
Israel
Itália
Jamaica
Japão
Jordânia
Kiribati
Kuweit
Laos
Lesoto
Letônia
Líbano
Libéria
Líbia
Liechtenstein
Lituânia
Luxemburgo
Macedônia
Madagáscar
Malásia
Malauí
Maldivas
Mali
Malta
Marrocos
Maurício
Mauritânia
México
Mianmar
Micronésia
Moçambique
Moldávia
Mônaco
Mongólia
Namíbia
Nauru
Nepal
Nicarágua
Níger
Nigéria
Noruega
Nova Zelândia
Omã
Palau
Panamá
Papua Nova Guiné
Paquistão
Paraguai
Peru
Polônia
Portugal
Quênia
Quirguistão
Reino Unido
República Centro-Africana
República Dominicana
República Tcheca
Romênia
Ruanda
Samoa
San Marino
Santa Lúcia
São Cristovão e Névis
São Tomé e Príncipe
São Vicente e Granadinas
Seicheles
Senegal
Serra Leoa
Sérvia e Montenegro
Síria
Somália
Sri Lanka
Suazilândia
Sudão
Suécia
Suíça
Suriname
Tadjiquistão
Tailândia
Taiwan (Formosa)
Tanzânia
Togo
Tonga
Trinidad e Tobago
Tunísia
Turcomenistão
Turquia
Tuvalú
Ucrânia
Uganda
Uruguai
Uzbequistão
Vanuatu
Vaticano
Venezuela
Vietnã
ZAIRE (República Democrática do Congo)
Zâmbia
Zimbábue


Dúvidas >?<
Fale Conosco

Parceiros
Webix
Recados
Frases
Receitas
Novelas
Recados para Facebook
Nepal

Scraps para Orkut

Nepal



DADOS PRINCIPAIS:
Nome oficial: Reino do Nepal (Nepal Adhirajya).
Nacionalidade: nepalesa.
Data nacional: 29 de dezembro (aniversário do rei)*.
Capital: Katmandu.
Cidades principais: Katmandu (535.000), Lalitpur (190.000), Biratnagar (132.000), Bhaktapur (130.000) (1993).
Idioma: nepali (oficial), tibetano, maithili, bhojpuri.
Religião: hinduísmo 86,2%, budismo 7,8%, islamismo 3,8%, cristianismo 0,1%, judaísmo 0,1%, outras 2% (1991).

GEOGRAFIA:
Localização: centro-sul da Ásia.
Hora local: +8h30.
Área: 147.181 km2.
Clima: de montanha (maior parte).
Área de floresta: 48 mil km2 (1995).

POPULAÇÃO:
Total: 23,9 milhões (2000), sendo nepaleses 53,2%, biaris 18,4%, tarus 4,8%, tamanos 4,7%, neuares 3,4%, magares 2,2%, abadhis 1,7%, outros 11,6% (1991).
Densidade: 162,39 hab./km2.
População urbana: 11% (1998).
População rural: 89% (1998).
Crescimento demográfico: 2,4% ao ano (1995-2000).
Fecundidade: 4,45 filhos por mulher (1995-2000).
Expectativa de vida M/F: 58/57 anos (1995-2000).
Mortalidade infantil: 83 por mil nascimentos (1995-2000).
Analfabetismo: 58,6% (2000).
IDH (0-1): 0,474 (1998).

POLÍTICA:
Forma de governo: Monarquia parlamentarista.
Divisão administrativa: 14 zonas.
Principais partidos: do Congresso Nepalês (PCN), Nacional Democrático, Comunista do Nepal-Unificado Marxista-Leninista, Comunista do Nepal-Marxista-Leninista.
Legislativo: bicameral - Conselho Nacional, com 60 membros (35 eleitos pela Casa dos Representantes, 15 eleitos nas Áreas de Desenvolvimento Regional e 10 nomeados pelo rei), com mandato de 6 anos; Casa dos Representantes, com 205 membros eleitos por voto direto para mandato de 5 anos.
Constituição em vigor: 1990

ECONOMIA:
Moeda: rúpia nepalesa.
PIB: US$ 4,8 bilhões (1998).
PIB agropecuária: 40% (1998).
PIB indústria: 22% (1998).
PIB serviços: 38% (1998).
Crescimento do PIB: 5% ao ano (1990-1998).
Renda per capita: US$ 210 (1998).
Força de trabalho: 11 milhões (1998).
Agricultura: arroz, milho, cevada, milhete, trigo, cana-de-açúcar, tabaco, batata, noz-moscada e cardamomo, frutas, óleos de semente.
Pecuária: bovinos, búfalos, caprinos, aves.
Pesca: 23,2 mil t (1997).
Mineração: linhito, cobre, calcário, minério de ferro, esteatita.
Indústria: alimentícia, vestuário, têxtil (tapetes e cobertores).
Exportações: US$ 485 milhões (1998).
Importações: US$ 1,2 bilhão (1998).
Principais parceiros comerciais: Índia, Alemanha, Cingapura, China, EUA.

Nepal
O Nepal é um país asiático dos Himalaias, limitado a norte pela China e a leste, sul e oeste pela Índia, e é um país sem costa marítima. A sua capital é Catmandu. No país se situa o monte Evereste, o pico mais alto da terra com 8 848 m, na fronteira norte com a China.
As principais cidades desta nação são Lumbini, onde nasceu Sidarta Gautama, conhecido como o Buda, e a cidade-lago de Pokhara, situadas no vale de Katmandu. Têm grande importância para o turismo, sendo reconhecidas pela UNESCO devido ao valor histórico e por lá se encontrar um grande acervo monumental.
O Nepal é um país pobre, situado na encosta da cordilheira do Himalaia, centro da Ásia, entre a China e a Índia, e tem uma das maiores densidades demográficas do continente, com 153 habitantes por quilômetro quadrado. A população nepalesa é composta de 12 etnias, que convivem harmonicamente.
A agricultura emprega 90% da mão-de-obra, tornando o país grande fornecedor de arroz para a região. Em vez de construção de estradas, conter a erosão do solo há séculos tem sido a principal ocupação dos governantes, sendo que o sistema de terraços usados na irrigação do arroz é um desafio aos meios usados no ocidente para conter o mesmo tipo de erosão.

História
A pré-história do Nepal não é clara até o século VIII a.C.. A lenda conta que o vale de Catmandu foi nas suas origens um belo lago no qual flutuava a flor de lótus da qual emanava uma mágica luz. O patriarca chinês Manjushri decidiu, ante tanta beleza, drenar a água do lago para que a flor pousasse no solo e utilizou sua espada para cortar a parede que fechava o vale e permitir que a água saísse. No lugar que o lótus pousou, o patriarca construiu um templo, a estupa de Swayambhunath e uma pequena aldeia de madeira denominada Manjupatan. Se desconhece se esta lenda contém alguma verdade. Mas o certo é que os geólogos comprovaram que o vale já foi coberto de água.
No século VIII a.C. aparece a cultura kirati com a invasão destes povos que fundaram no vale um reino no qual governaram 28 monarcas como Yalambar, o mais famoso deles. Os kirati eram avezados comerciantes e ganadeiros. Depois vieram os lichhavis, procedentes da Índia, que reinaram desde o século IX ao XII d.C.. Os Takuris tiveram como principal monarca Amshurvarma, sucedendo-o a Dinastia Gupta, que conseguiu fazer deste país um reinado independente. Do século XIII ao XVIII subiram ao poder os Mallas que consolidaram a hegemonia do Nepal. A meados do século XIX, Jung Bahadur Rana tomou o poder assassinando o monarca legítimo, pondo em seu lugar um testa de ferro nomeado por ele, constituindo o cargo hereditário, que governava sob o título de Primeiro-ministro Rana. Os Rana governaram o Tibete durante um século até que em 1940 uma revolta popular acabou com esta ditadura.
Em 1951 regressa ao Nepal o rei Tribhuvan Bir Bikram que falece quatro anos depois e é substituído por seu filho Mahendra Bir Bikram Shah. O país ingressa na Organização das Nações Unidas. Em 1959 se promulga uma nova constituição, e celebram-se as primeiras eleições do país na que vence o Partido do Congresso. Todavia, um ano depois, o monarca acaba com a incipiente democracia declarando ineficaz o sistema parlamentar. A partir de 1961 proclama-se um sistema de democracia dirigida sem partidos políticos. Em 1972 morre o rei e é sucedido por seu filho Birendra que continua com a mesma política de seu pai. Em 1980 uma consulta popular ratifica o poder do rei desprezando a democracia parlamentar.
Em 1983 o rei nomeia Nepal como estado de paz e recebe o respaldo de 37 países que em 1988 serão já 97 países, com exceção da Índia e Moscou, que não reconhece esta zona de paz.
Em 1990 o rei dissolve a Assembléia e se forma um novo governo com K.P. Bhattaral como primeiro-ministro. O monarca apresenta uma nova constituição na que se estabelece a democracia multipartidarista. Em 1994 continua como Chefe do Estado o rei Birendra Shah e como chefe de governo que dirige a nação, Mohan Adhikari.
Em 15 de Janeiro de 2007 entrou em vigor uma constituição provisória que preparará a realização de eleições para uma Assembleia Constituinte. De acordo com a nova constituição o rei está destituído dos seus poderes.
Em 24 de dezembro de 2007, os partidos políticos do país, incluindo os governistas e os poderosos ex-rebeldes maoístas, colocaram-se de acordo para abolir a monarquia a partir do primeiro semestre de 2008, com a nova constituição.

Política
Até 1990, Nepal era uma monarquia absoluta que funcionava sob o controle executivo do rei. Enfrentando movimento contrário à monarquia absoluta, o rei Birendra, em 1990, concordou com reformas políticas em grande escala e criou uma monarquia parlamentar, sendo o rei chefe de estado e um primeiro-ministro o chefe do governo.
A legislatura de Nepal era bicameral consistindo em uma casa de representantes e de um conselho nacional. A casa de representantes consiste em 205 membros eleitos diretamente pelo povo. O conselho nacional tinha sessenta membros, dez nomeados pelo rei, trinta e cinco eleitos pela casa de representantes e os quinze restantes eleitos por um colégio eleitoral composto por representantes das vilas e das cidades. A legislatura teve um mandato de cinco anos, mas foi dissolvida pelo rei antes do término deste período. Todos os cidadãos do Nepal maiores de 18 anos adquiriram o direito ao voto.
O executivo compreendia o rei e o conselho dos ministros (o gabinete). O líder da aliança ou do partido que obtivesse a maioria dos lugares em uma eleição era nomeado como o ministro principal. O gabinete era nomeado pelo rei por recomendação do ministro principal. Os governos do Nepal tendiam a ser altamente instáveis; nenhum governo sobreviveu por mais de dois anos desde 1991, por colapso interno, dissolução parlamentar, pelo monarca ou por recomendação do ministro principal de acordo com a constituição.
O movimento em abril de 2006 trouxe uma mudança na nação. O rei autocrático foi forçado a deixar o poder. A câmara de representantes dissolvida foi restaurada. A câmara de representantes deu forma a um governo que manteve conversações da paz bem sucedidas com os rebeldes maoístas. Uma constituição interina foi promulgada e criada uma câmara de representantes interina com membros maoístas. O número dos assentos foi aumentado para 330. O processo da paz em Nepal deu um grande passo adiante em abril 2007, quando o Partido Comunista do Nepal (Maoísta) se juntou ao governo provisório do Nepal.
Depois do acordo de 23 de Dezembro de 2007, foi estabelecida a república em 2008; uma maioria simples do conjunto constituinte, a ser eleita em 2008, votou pela abolição da monarquia.
A assembleia constituinte do Nepal decidiu abolir a 25 de Maio de 2008 a única monarquia hinduísta do mundo e fazer nascer a mais nova república, depois dos rebeldes maoístas terem vencido as eleições de 10 de Abril de 2008.
Subdivisões
Nepal é dividido em 14 zonas e em 75 distritos, agrupados em 5 regiões do desenvolvimento. Cada distrito é dirigido por um oficial principal fixo do distrito, responsável para manter a lei e a ordem e coordenar o trabalho de agências do campo dos vários ministérios do governo. As 14 zonas são:
• Bagmati
• Bheri
• Dhawalagiri
• Gandaki
• Janakpur
• Karnali
• Kosi
• Lumbini
• Mahakali
• Mechi
• Narayani
• Rapti
• Sagarmatha
• Seti

Geografia

O Nepal é um pequeno país localizado no sul da Ásia, entre a Índia e a China (Tibete). O seu tamanho contrasta com uma superpopulação estimada entre 22 e 23 milhões de habitantes. O país é costeado pelas altas montanhas do Himalaia, com vários picos de mais de 6000 metros de altitude, destacando-se entre estes o Monte Everest, o ponto mais alto da Terra. O Nepal é conhecido como "o teto do mundo". A capital Catmandu tem aproximadamente 800 mil habitantes. O país divide-se em 14 estados e 75 distritos. A maior parte da população vive em vilas nas montanhas, que são demarcadas por regiões e números. O clima é frio, porém somente nas montanhas há incidência de neve.
O Nepal pode ser dividido em três regiões geográficas distintas: o Terai ao sul, com altitudes entre 400 e 1000 metros, geográfica e culturalmente semelhante à Índia; a região dos Vales, com altitudes entre 1 000 e 2 000 metros, onde está Katmandu e Pokhara; e a região do Himalaia, com altitudes superiores a 2 000 metros.
Clima

O famoso posto de Naamche Bazar Khumbu, na região próxima ao Monte Everest. A cidade é construída em uma plataforma que lembra um gigantesco anfiteatro grego.
O Nepal segue o regime de monções tendo 3 meses, de meados de junho a meados de setembro, de chuvas. Para quem visita o Terai e a região dos Vales, a chuva não chega a atrapalhar. Já para quem vai fazer trekkings a época ideal é a primavera (março e abril) e o outono (outubro e novembro), épocas em que a visibilidade das montanhas é ideal e a temperatura não muito fria. Durante o inverno é possível fazer trekking sendo que o único empecilho, contornável com bom equipamento, é o frio.
Vegetação
Localizado na região dos Himalaias, o Nepal conta com uma das maiores diversidades de flora do planeta. A presença de grandes altitudes, o clima e o solo da região dentro de uma pequena extensão gerou esta diversidade. É estimada a existência de aproximadamente 7000 espécies de flores de plantas no Nepal e aproximadamente 5% delas não nascem em outras regiões do mundo.
Economia
O Nepal é uma nação pobre, com uma economia baseada na agricultura e no turismo. Cerca de 90% dos habitantes trabalham na agricultura, principalmente no cultivo de arroz.
A influência indiana, cada vez mais forte, em pouco tempo originou uma sociedade de castas fortemente indianizada e poderoso centro budista.
O turismo cresce desde que a democracia foi restaurada, em 1990, ajudado pela abolição das restrições a estrangeiros em 18 áreas, a noroeste do país. Lumbini - a terra natal de Buda - e a cidade-lago de Pokhara estão entre as principais atrações.
Demografia
Os nepaleses são descendentes de três grandes migrações da Índia, Tibete, norte da Birmânia e Yunnan, através de Assam.
Entre os primeiros habitantes foram os Kirat na região leste, Newar do Vale de Katmandu e aborígenes Tharu na região sul do Terai. Os ancestrais das castas de Brahman e Chetri da Índia vieram de grupos presentes em Kumaon, Garhwal e Caxemira, enquanto que outros grupos étnicos tem as suas origens no norte da Birmânia, Yunnan e Tibete, por exemplo, o Gurung Magar, e no oeste, Rai e Limbu no leste, e Sherpa Bhotia no norte do país.
No Terai, numa parte da Bacia do Ganges, 20% da área total do país, a população é fisicamente e culturalmente semelhante à do Indo-arianos do norte da Índia. Indo-Arianos e da Ásia Oriental misturaram-se com pessoas que vivem na região da colina. As altas montanhas são escassamente povoadas. O Vale de Kathmandu, no meio da região da colina, constitui uma pequena fração da área da nação, mas é a mais densamente povoada, com quase 5% da população.
Apesar da migração de uma parte significativa da população para as planícies do sul ou para o Terai nos últimos anos, a maioria da população ainda vive no Planalto Central. As montanhas do norte são pouco povoadas.
Katmandu, com uma população de cerca de 800 000 habitantes (região metropolitana: 1,5 milhões), é a maior cidade do país. A maior religião é o Hinduísmo, com mais de 80% da população a seguir esta religião.
O Nepal é um país multilingue, multireligioso e a sociedade é multiétnica.
Cultura
A cultura nepalesa é muito variada, refletindo as diferentes origens étnicas de seu povo. Como cerca de 80% da população é hinduísta, a cultura nepalesa tem muitos costumes, crenças e tradições hindus. Entretanto a influência do budismo, que abrange cerca de 10% da população, é grande. As duas religiões coexistem e ritos hinduístas e budistas que acompanham o nascimento, o casamento e a morte são praticados conjuntamente.
O folclore é uma parte integrante da sociedade nepalesa. Contos folclóricos estão enraizados na realidade do dia-a-dia. Contos de amor e de batalhas, bem como demônios e fantasmas, refletem o estilo de vida local, bem como suas culturas e crenças. Muitos contos folclóricos nepaleses são contados mediante a integração de dança e música.
Calendário
O ano nepalense começa em meados de abril e está dividido em 12 meses. Sábado é um dia oficial de descanso. Dentre os feriados nacionais estão o Dia Nacional, a comemoração do aniversário do rei (28 de dezembro), o Prithvi Jayanti (11 de janeiro), Dia do Mártir (18 de fevereiro), e uma mistura de festivais hindus e budistas, tais como o festival dashain no outono, e o tihar no final do outono. Durante o tihar, o comunidade Newar também comemora o seu Ano Novo, por seu calendário local, Nepal Sambat.
Culinária
Como os hinduístas são vegetarianos, em sua maioria, a culinária nepalesa, assim como a indiana, reflete uma dieta vegetariana. Uma típica refeição nepalesa é o dal-bhat-tarkari. O Dal é uma sopa picante de lentilha, servida sobre o bhat, uma tigela redonda.
Moradias típicas
A maior parte das casas na área rural do Nepal são constituídos com uma estrutura de bambu muito resistente e paredes recobertas de barro e uma mistura com esterco de vaca. Este tipo de habitação permanece fresca no Verão e mantém o calor no inverno. As casas nas colinas são normalmente feitas de tijolo cru com thatch, telhado de telha. Em altas altitudes, as construções mudam para alvenaria e pedra ardósia pode ser utilizada nos telhados.
Os newari
Os newaris ou newars, um povo indígena do Vale Kathmandu, exercem grande influência sobre a cultura nepalesa. A música típica newari é constituída principalmente por instrumentos de percussão, apesar de instrumentos de sopro, tais como flautas e outros similares, também serem utilizados. Instrumentos de corda são muito raros. Existem canções relativas a determinadas épocas do ano e festivais. Existem determinados instrumentos musicais, como dhimay e bhusya, que são reproduzidos apenas de forma instrumental e não são acompanhados de vocal. Também há muitas canções folclóricas conhecidas como geet e lok lok dohari.
As danças newaris podem ser globalmente classificadas em bailes mascarados e não mascarados. A mais representativa dança é a Lakhey. Quase todas as vilas de newaris realizam a dança Lakhey pelo menos uma vez por ano, principalmente no mês Goonlaa.
Bandeira
A bandeira do Nepal é a única bandeira nacional no mundo que não tem uma forma quadrilátera e é uma, de apenas duas, das bandeiras não-retangulares em uso (sendo a outra a bandeira do estado de Ohio, nos Estados Unidos). De acordo com a sua descrição oficial, o vermelho na bandeira representa a vitória na guerra ou a coragem e é também a cor da rhododendron, a flor nacional do Nepal. A cor azul da borda significa paz. A Lua curvada é um símbolo da natureza pacífica e calma do Nepal, enquanto o Sol representa a agressividade dos nepaleses guerreiros.



DEFESA:
Efetivo total: 50 mil (1998).
Gastos: US$ 37 milhões (1998).

RELAÇÕES EXTERIORES:
Organizações: Banco Mundial, FMI, ONU.
Embaixada: Tel. (202) 667-4550 - Washington D.C., EUA. - Não há embaixada no Brasil.


Referência para busca:
Nepal ásia nepali
Fotos de Nepal.

Indicar ao amigo(a) Página anterior

Curta nossa página
 
Publicidade





Recados - Frases - Receitas - Resumo de Novelas - Webix - Recados para Facebook - Dicionário Português - Capas para Facebook

Política de Privacidade
©2007 - 2016 .: Mix Planet :.